Bem-Vindo à Página Oficial da
Liga dos Combatentes


 

 








 

 

 

 

 








 
 

 

 

  Notícias

Homenagem aos Combatentes da Freguesia de Louredo, concelho de Vieira do Minho


28.07.2013 - Realizou-se na freguesia de Louredo, concelho de Vieira do Minho, no passado dia 28 de Julho, uma significativa Homenagem aos Combatentes naturais daquela freguesia minhota. As cerimónias iniciaram-se com a celebração de uma Missa Solene, na Capela de Nossa Senhora de Fátima, em memória dos Combatentes falecidos, pelo Reverendo Padre Albino Carneiro, coadjuvado pelo pároco de Louredo Reverendo Padre José Alves. O acompanhamento musical esteve a cargo da Banda Filarmónica de Perafita, Montalegre.


Durante a homilia, proferida pelo Reverendo Padre Albino Carneiro, foi evocada com sentido respeito a memória dos Combatentes falecidos, designadamente dos três naturais daquela terra, que tombaram em defesa da Pátria e enaltecida a atitude corajosa do Presidente daquela autarquia em levar avante tão dignificante gesto de cidadania. Dadas as condições atmosféricas adversas, que se fizeram sentir durante toda a tarde, a sessão solene decorreu dentro da capela, onde usaram da palavra o Presidente do Núcleo de Braga da Liga dos Combatentes, Coronel Amado Vareta, o representante da Direcção Central da LC e autor do projecto do Monumento, Arqt.º Eduardo Varandas e o Presidente da Junta de Freguesia anfitriã, Senhor Paul Soares.

Relativamente à intervenção do Presidente do Núcleo de Braga, destaca-se o elogio ao Presidente da Junta de Freguesia local pela iniciativa tomada em homenagear os Combatentes naturais da sua autarquia, a referência aos Programas Estruturantes da LC e a evocação do Coronel Abreu Cardoso, cidadão ilustre, natural de Vieira do Minho, Combatente agraciado com a medalha de Grau de Oficial da Torre Espada Valor Lealdade e Mérito, que há pouco tempo deixou o mundo dos vivos, vitimado por um brutal acidente de aviação. O Arqt.º Eduardo Varandas, centrou a sua alocução aludindo ao significado do acto em si mesmo, não deixando de recordar a sua condição de Combatente, dando especial ênfase ao nosso passado como povo e como Nação universalista e ao legado patrimonial que deixámos pelos territórios dos cinco continentes. Aproveitou para descrever o simbolismo do Monumento, ao mesmo tempo que chamava a atenção para algumas inconformidades que o mesmo apresenta, devendo ser corrigidas no sentido de ser respeitado o projecto. O Presidente da Junta de Freguesia encerrou o período das intervenções justificando as razões pelas quais tomou a iniciativa de homenagear os Combatentes de Louredo, a escolha do local para a implantação do Monumento (dado tratar-se de um lugar simbólico, junto à capelinha de Nossa Senhora de Fátima, a quem os Combatentes tantas vezes invocaram a sua protecção), agradecendo toda a colaboração prestada pelo Núcleo de Braga e da Direcção Central da Liga dos Combatentes, para levar a efeito aquele evento cultural.

A sessão solene terminou com a distribuição de um PIN com o logótipo da Liga dos Combatentes, a todos os Combatentes vivos e às famílias dos falecidos. Procedendo-se posteriormente, à bênção do Monumento de Homenagem aos Combatentes da Freguesia de Louredo, posto que, todos os convidados e a população em geral se dirigiram para o cemitério local onde foi descerrada uma lápide, com o logótipo da Liga dos Combatentes e uma mensagem em memória dos Combatentes ali sepultados.

Às 19.30h teve lugar um lanche convívio, com animação musical, nas instalações anexas à capelinha. Estiveram presentes as seguintes entidades: Vereador Alfredo Lopes, em representação do Presidente do Município de Vieira do Minho, Coronel Amado Vareta, Presidente do Núcleo de Braga da LC, Arqt.º Eduardo Varandas, em representação do Presidente da Direcção Central da LC, Sargento – Chefe Cunha, em representação do Comandante do RC6, Sr. António Macedo, Comandante dos Bombeiros Voluntários de Vieira do Minho, presidentes de Juntas de Freguesia do concelho de Vieira do Minho e os Reverendos Párocos José Alves e Albino Carneiro. As honras militares foram prestadas por uma secção do RC6, que executou as suas funções com dedicação e competência.