Bem-Vindo à Página Oficial da
Liga dos Combatentes


 








 

 

 

 
 
 

 
 

 
 

 

  NÚCLEOS

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z

 

TOMAR

A acta mais antiga encontrada refere-se a uma reunião de Direcção efectuada em 02 de Julho de 1932 e o seu conteúdo versa assuntos correntes da Subagência e é assinada pelos:

  • Presidente: Sócio Comb. n° 91, Ten.Cor Manuel de Jesus Ferreira
  • Tesoureiro: Sócio Comb. n°112, Virgílio da Silva Barreira
  • Secretário: Sócio Comb. n° 54, Ten. Francisco Nunes C. Caetano

Por outro lado, encontramos um primeiro registo de trinta e quatro sócios, relativo ao dia 1 de Julho de 1926. Destes sócios inscritos, todos na mesma data. só um era civil, o Sr. Eugênio Júlio Baptista com o número 32, Chefe dos Correios, toçlos os outros eram militares sendo que o sócio a quem foi atribuído o número 1 era o S r. General Felisberto Alves Pedrosa. O valor da quota mensal destes primeiros associados variava entre 1$00 e 3$00, havendo uma de 5$00 que era do sócio n.º 1.

Ora, tendo em consideração datas como as já referidas podemos concluir sem rigor que a fundaçao do Núcleo de Tomar terá acontecido em 1 de Junho de 1926. Todavia os dados existentes, até prova em contrário, fazem-nos crer que terá sido realmente esta data pelo que passará a ser adoptada como tal.

A primeira instalação que serviu de sede à " Subagência de Tomar" era constituída por, apenas um compartimento cedido pela Câmara Municipal e localizado no edifício da mesma. Contudo em 1946 a Câmara ocupou a instalação cedida obrigando, assim, a que fosse encontrada nova solução. Após algum tempo foi conseguido um espaço, também de um compartimento, no n.° 44 da Rua Alexandre Herculano onde ficou instalada a sede durante 26 anos. Em Outubro de 1972 é finalmente encontrada uma solução satisfatória e a sede da Subagência é transferida para o rés-do-chao, com o n.º 1, na Praceta Dr. Raul Lopes onde ainda hoje se encontra instalada a sede do agora "Núcleo de Tomar da Liga dos Combatentes".

Do período que decorre entre o dia 1 de Junho de 1926 e o momento actual registamos apenas três factos que consideramos como relevantes na História do Núcleo: a inauguração do Monumento aos Mortos da Grande Guerra, a implementação do Talhão do Cemitério desta cidade e o respectivo ossário e a 1a eleição dos, Corpos Sociais do Núcleo. Relativamente ao primeiro registe-se que foi erguido à custa de uma subscrição pública, é obra do escultor portuense Henrique Moreira e a sua inauguração, com a presença do Ministro da Guerra aconteceu no dia 20 de Novembro de 1932 em local muito próximo do antigo quartel do Regimento de Infantaria n°15. No que diz respeito ao Talhão só poderemos afirmar que foi implementado nos anos 30/séc. XX e que o ossário foi construído no Verão de 1940. Por último refere-se que a 1a eleição dos Corpos Sociais, até aí nomeada, aconteceu numa Assembleia Geral realizada em 15 de Março de 1975 e o resultado do escrutínio foi o seguinte:
  • Presidente: Dr. Victor Manuel Andrade Borges
  • Secretário: Coronel Manuel Ferreira Nobre da Silva
  • Tesoureiro: Alberto do Rosário Pereira
  • Vogal suplente: João Nunes Miragais Tenreiro
  • Vogal suplente: Tenente Coronel Ismael Lopes Canavilhas
Entendemos ainda referir como curiosidade do historial do Núcleo a apreciação sobre o panorama do movimento de sócios ao longo da sua existência. Nessa perspectiva verifica-se um crescimento quase uniforme do número de sócios, ao longo do tempo, com excepção de um período limitado, cerca de quatro anos, em que é evidente um decréscimo substancial desse número. A explicação encontrada para esta anormalidade tem a ver com o encerramento da cantina da Manutenção Militar muito procurada antes da abertura das grandes superfícies comerciais. Note-se que ser sócio da Liga dos Combatentes facultava o acesso à referida cantina.

Actualmente o efectivo de associados do Núcleo conta com mais de 1200 sócios. Neste efectivo destacamos pela sua notoriedade nacional a figura do Sr. D. Duarte Pio de Bragança, sócio Combatente n° 132.619; pelas condecorações obtidas em campanha, na Guerra do Ultramar, o Sr. Major General José Manuel Garcia Ramos Lousada, sócio Combatente n° 126 630.